quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Conhecendo Pequenos Leitores....

Mais uma visita aos pequenos leitores ....

LINK ABAIXO

Biblioteca Paulo Freire da EBM Ana Beatriz

Cada visita aos meus pequenos leitores comprova o quanto valeu a pena dedicar a eles meu trabalho.

A energia de amor que deles recebo, as novas amizades que faço com pessoas dedicadas e criativas como as bibliotecárias , professoras e pedagogas em todas as unidades de ensino da rede publica e privadas tem comprovado que valeu muito meu objetivo de despertar nos pequenos e jovens a sensibilidade, a percepção de uma realidade expressa pela arte , pela intuição, pelo imaginário , ou seja a certeza de que podemos ir além

do aqui e do agora.!
Na tarde de ontem ,na Escola Básica Municipal Beatriz de Souza Brito no Pantanal, mais uma vez a magia aconteceu.
A chama da amizade foi cultivada e foi como se nos conhecêssemos ha muito tempo.
Trocamos conversas, conhecimentos, amor ao lugar onde vivemos .Trocamos sonhos e projetos que me foram doados concretamente em forma de desenhos, mensagens, votos de felicidade e sucesso e mais livros muitos mais ,flores e abraços...
Lagrimas e sorrisos aconteceram!
Aconteceu o mundo ideal : paz , realização e amor!
Gratidão a Deus, aos pequenos leitores e as suas orientadoras daquela escola !
Obrigada Fernanda, amigos auxiliares da Biblioteca,Professora Camila e Professora Nailze e Fernanda !
Esta tarde nao será esquecida!






O Poder


Yedda Goulart

O povo sofre
São tempos difíceis
Há que suportar
Nuvens de intolerância
Tempestades de ódio inútil.
Ventos contrários
E pessoas até então admiradas
Se embrenhando em
desamor
Na soberba de se pensar melhor
Que os outros
Seus irmãos em pátria!
Não se fala no melhor e na nobreza
Mas em vencer mesmo a custa de calúnias
Todos se perdem
Em exemplos negativos
A sociedade sofre e geme
Os jovens oscilam na busca de valores
E só percebem almas maltrapilhas
Desatinos dos mais velhos perdidos
Nos descaminhos do poder !


domingo, 11 de março de 2018

PÁTRIA MINHA - Vinicius de Moraes

 Vontade de beijar os olhos de minha pátria
De niná-la, de passar-lhe a mão pelos cabelos
Vontade de mudar as cores do vestido ( auriverde)
tão feias
De minha pátria, de minha pátria sem sapatos
E sem meias pátria minha
Tão pobrinha !

Quero rever-te pátria minha, e para 
Rever-te me esqueci de tudo
Fui cego, estropiado,surdo, mudo
Vi minha humilde morte cara a cara
Rasguei poemas, mulheres, horizontes
Fiquei simples,sem fontes.

A minha pátria não é florão,
Nem ostenta lábaro, não
a minha pátria é desolação
De caminhos, a minha pátria é terra sedenta
E praia branca, a minha pátria é o grande rio secular
Que bebe nuvem, come terra
E urina mar.

Não te direi o nome pátria minha
Teu nome é pátria amada, é patriazinha
Não rima com mãe gentil
Vives em mim como uma filha que és
Uma ilha de ternura: a Ilha 
Brasil, talvez.

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Revista História Catarina

Artigo : Cronistas e Viajantes em Santa Catarina - uma visita ao Planalto Catarinense - n.88


segunda-feira, 5 de junho de 2017

Revista História Catarina

Tempos da Memória - edição comemorativa aos 250 de Lages/Santa Catarina - n.79/ 2016.Um artigo sobre uma época inesquecível !


 Cronistas e Viajantes em Santa Catarina - n. 81 - 2017 - Relatos de viajantes de países distantes,que corajosamente adentravam lugares remotos  do Brasil do século XVII e XVIII.



sexta-feira, 24 de março de 2017

Visita à Escola Santa Catarina










OUTONO

Outono! Que bom que você voltou....
Com seu jeito carinhoso
Afagando minha pele
Refrescando minhas noites
Pintando folhas por aí
Só pra alegrar meu olhar!
Que bom que você voltou...
Abrindo os baús do tempo
Misturando saudades...
Fotografando cenários
De tempos há tanto,idos
Viajando com você!!

Lembranças ,folhas viradas
Compondo histórias vividas
Cumprindo estações da vida!
Que bom que você voltou!
Que bom que você voltou!

quarta-feira, 15 de março de 2017

1º Festival Literário Internacional Catarinense - FLIC

Foi um sucesso o 1º Festival Literário Internacional Catarinense -FLIC de 12 a 16 de Outubro de 2016.
Com uma vasta programação cultural, literaria, musical, ballet,contação de histórias ,

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

1º Festival Literário Internacional Catarinense





Aconteceu nos dias 16 a  20 de outubro p.p. o 1º FLIC na cidade Pedra Branca ,Palhoça SC.
Maravilhosa iniciativa que brindou Santa Catarina, com um belíssimo espetáculo cultural muito bem organizado.Tive o privilegio de participar com uma apresentação intitulada : Literatura e Cinema: o livro e sua imagem, tendo como objetivo demonstrar as peculiaridades de cada discurso : escrita e imagem cinematográfica. Adaptação de livros para video e cinema.




quinta-feira, 14 de julho de 2016

Aventuras na Ilha da Magia


Curta metragem baseado no livro Aventuras na Ilha da Magia (de minha autoria) criado pelo Belli Studio de Blumenau, ( Rubens e Aline Belli ) premiado pela Fundação Catarinense de Cultura em 2002.


quarta-feira, 13 de julho de 2016

INTROITO

Mosaico
quadro que componho
Fragmentos poliformes do meu ser
pinçados no percurso

entre os enleios do mundo

e a lucidez

milimétrica do tempo que passa

tão depressa.

Mosaico
incompleto até que a vida se complete
e o último pedaço colorido
ou negro, se acomode
justaposição multicolorida desta busca

Mosaico
Na limítrofe aduana do infinito
uma forma irregular
um pedacinho, um mínimo pedaço
talvez componha o retrato
abstrato do meu ser!

OPCIONAL


Na busca de algo
outro tanto se perde
Malabaristas da sorte
tudo buscamos reter...

Dorida escolha
Entre o que vai  e o que vem
Naquele um pedaço de pele, de sangue
de essência.
Neste o alvoroço do estranho
O encolher-se de medo
O passo em dois tempos...

Sempre algo se perde
na troca, na busca, no caminho.
nem o retorno devolve
o perdido, o passado – o que se trocou!

DA MINHA JANELA

Daqui o horizonte é verde e sinuoso
O horizonte, daqui é benevolente
e próximo.
Passivo, oferece o dorso desnudo
à miséria que cresce e sobe
implacável.
Invasores em formação
Destroçam a imponência verde
secular...
Se o morro sangrasse , na invasão
a cidade seria vermelha .( mais ainda de vergonha)
Se de cada árvore arrancada
no silêncio da indiferença
ecoasse um grito
só assim, talvez...
o horizonte daqui, seria ainda
Natureza !

EVOLUIR

O que vale na luta não é a vitória final
Mas o aprendizado dos meios
O reconhecimento dos obstáculos
O discernimento das escolhas
A evolução das possibilidades.
O que vale na luta não é submeter o vencido
Mas submeter-se o vencedor
À caminhada lenta, progressiva, paciente.
Reconhecer-se aprendiz
E na apreensão –  Viver!