domingo, 11 de março de 2018

PÁTRIA MINHA - Vinicius de Moraes

 Vontade de beijar os olhos de minha pátria
De niná-la, de passar-lhe a mão pelos cabelos
Vontade de mudar as cores do vestido ( auriverde)
tão feias
De minha pátria, de minha pátria sem sapatos
E sem meias pátria minha
Tão pobrinha !

Quero rever-te pátria minha, e para 
Rever-te me esqueci de tudo
Fui cego, estropiado,surdo, mudo
Vi minha humilde morte cara a cara
Rasguei poemas, mulheres, horizontes
Fiquei simples,sem fontes.

A minha pátria não é florão,
Nem ostenta lábaro, não
a minha pátria é desolação
De caminhos, a minha pátria é terra sedenta
E praia branca, a minha pátria é o grande rio secular
Que bebe nuvem, come terra
E urina mar.

Não te direi o nome pátria minha
Teu nome é pátria amada, é patriazinha
Não rima com mãe gentil
Vives em mim como uma filha que és
Uma ilha de ternura: a Ilha 
Brasil, talvez.

Nenhum comentário: